Adelaide Cabete (1867-1935)
Portuguese Physicist, Suffragist and Feminist.

Born in Elvas, a city located in Portugal´s Alentejo province, on the 25th of January of 1867, Adelaide de Jesus Damas Brazão e Cabete came from a family of humble origins, mostly associated with factory work. Such background, however, did not prevent her from obtaining a higher education and building an unusually successful career for the time, having displayed a degree of resilience and ambition that would serve as a vital inspiration for many other Portuguese women.   
Because she lost her father at an early age, Cabete had to begin working very soon in her life, in order to help support her family. Nonetheless, her fate would begin to change in 1886, as this is the year in which she married Manuel Cabete, a reputable figure of the Portuguese republicanist movement and a man with a most uncommon trait: he strongly encouraged her wife´s professional success. In fact, Manuel not only did not hold any barriers against Adelaide´s wish of earning a higher education, but he even sold some lands that were in his possession, so that his wife could actually fulfill her academic goals.
Even though such selfless posture finds some correspondence, for example, in the position taken by the husbands of Ana de Castro Osório and Alice Pestana, it must still be regarded as a strongly unusual attitude in light of the patriarchal norm that prevailed in the Portuguese society of the time, according to which the expected behavior would be for the wife to renounce her interests – regardless of the field for which she had an inclination – for the benefit of her husband and his professional career. 
In this manner, and always imbued with an enormous sense of determination and sacrifice, Adelaide Cabete was able to move to Lisbon, in the company of her husband, and accomplish the necessary school path for joining the Faculty of Medicine, where she would graduate in 1900 – surrounded by an overwhelming majority of male colleagues -, with a thesis entitled “The protection for poor pregnant women, as means of promoting the physical development of the new generations”, for which she obtained the classification of 14 out of 20. Shortly after, she began her activity as a physician - having specialized in gynecology - a profession that was still virtually vetoed to women, on account of a doubtful attitude towards their skills, when compared to those of the men that also practiced it. In fact, Cabete integrated a rather restricted body of women who managed to practice medicine in the late 1800s/early 1900s in Portugal, alongside figures such as Amélia Cardia, Emília Patacho and Carolina Beatriz Ângelo.       
In parallel with her primordial occupation, Cabete was also a teacher, having lectured Hygiene and Childcare at the Female Institute of Education and Work of Odivelas, where she would even be appointed physician, in 1915. Later, she attempted to bring these teachings to a larger audience, by also lecturing at the Popular University, in Lisbon, with the intent of raising awareness, among young women, to the extremely high rate of child mortality that was then present in Portugal. Concomitantly, she published articles in the press, which revolved around themes such as the female condition or alcoholism, frequently articulated with the mother-child issue, which always troubled her. 
In direct connection with her peculiar sensitivity for these questions, Adelaide Cabete also assumed herself as one of the most proeminent Portuguese feminists of her time, having embraced causes such as the struggle for the abolition of prostitution. Following a brief association with masonry, through her initiation in the Humanity Store – where she left her mark as a weariless fighter for gender equality -, she became, with Ana de Castro Osório, one of the founders of the Republican League of Portuguese Women, having also played a symbolically relevant role in the revolution that led to the implantation of the Republic, seeing as the conspirators trusted her, in alliance with Carolina Beatriz Ângelo, with the task of producing the flags that would be hoisted during the 5th of October of 1910.
Once the Republic was implemented, Cabete proceeded with her activist efforts for the benefit of women, having founded, in 1914, the National Council of Portuguese Women (the NCPW, in operation between 1914 and 1947), which immediately associated itself with international feminist organizations such as the International Council of Women and the International Alliance for Women´s Suffrage, and whose central preoccupations were with the condition of the woman and child, while aiming, from an economic and social standpoint, to claim for aspects such as the increase in wages earned by women, the necessity of improvement of their education and the female suffrage issue. Affirming herself as the driving force behind the NCPW, Cabete attempted to energize its activities on an incessant basis, among which the launching of the successful magazine Alma Feminina is included, as well as the organization of two feminist congresses, in 1924 and 1928, which proved to be events of remarkable national magnitude. During these congresses, besides having participated with communications that addressed the themes which had preoccupied her for many years, Cabete emphasized that the ladies who integrated the NCPW were not interested in dismissing men, but rather in fighting for the just dignification of women.         
Following the Portuguese Military Coup of 1926 – and the subsequent dictatorship imposed in the country -, and after having represented Portugal abroad, on several occasions, in International Feminist Congresses, Adelaide Cabete moved to Angola, as she felt that the tense political situation in her homeland had ceased to be favorable for feminist causes. Nevertheless, faithful to her nature, she couldn´t help but fight for the creation of maternity wards and healthcare facilities in Angola, having even managed to become the only woman to vote, in Luanda, in the referendum for the approval of the Constitution of 1933.
Still, she would return to Portugal a year later, where she died, in September of 1935. On the 10th of June of 1995, she was posthumously awarded with the Medal and Collar of Great Official of the Order of Freedom.

On the 5th of October of 2009, the CTT (Postal Services of Portugal) issued a collection of stamps intended to pay tribute to a group of “women whose actions and testimonies transformed them into figures indelibly associated with the history of the Republic”. Such collection, aptly titled Women of the Republic, “evokes activists of female rights from the early days of the Republic”, and in it one can find Adelaide Cabete, along with Maria Veleda, Carolina Michaëlis de Vasconcelos, Angelina Vidal, Ana de Castro Osório, Carolina Beatriz Ângelo, Virgínia Quaresma and Emília de Sousa Costa.

*****

Adelaide de Jesus Damas Brazão e Cabete nasceu em Elvas, a 25 de Janeiro de 1867, no seio de uma família de origens humildes, ligada ao trabalho fabril, o que não a impediu de se instruir e lograr uma carreira invulgarmente plena de sucesso, cuja resiliência e ambição se revelaram verdadeiros exemplos para muitas outras mulheres portuguesas.

Tendo perdido o pai ainda jovem, Cabete cedo teve de trabalhar, no sentido de assegurar a sustentabilidade da família. Em 1886, porém, o seu destino haveria de começar a mudar – este é o ano em que casou com Manuel Cabete, uma respeitável figura do movimento republicanista português e um homem invulgarmente encorajador do sucesso da sua mulher. Com efeito, Manuel não só não colocou quaisquer entraves ao desejo de Adelaide de obter uma educação superior, como ainda tratou de vender terrenos que tinha em sua posse, de forma a que a sua esposa pudesse efectivamente concretizar os objectivos académicos a que se propunha.
Apesar de esta postura altruísta encontrar ecos nas posições tomadas pelos maridos de Ana de Castro Osório e de Alice Pestana, a título de exemplos mais impactantes, não deixa de ser uma atitude fortemente desajustada face à norma patriarcal que imperava na sociedade portuguesa da época, em que o comportamento expectável passaria pela mulher renunciar aos seus interesses – independentemente da área para a qual estivesse vocacionada – em prol do marido e da carreira profissional deste.
Sempre imbuída de um enorme sentido de determinação e sacrifício, Adelaide Cabete pôde, assim, mudar-se para Lisboa, na companhia do marido, e efectuar o necessário trajecto escolar até ingressar na Faculdade de Medicina, onde se viria a licenciar em 1900 – rodeada de uma avassaladora maioria de colegas do sexo masculino -, com uma tese intitulada “A protecção às mulheres grávidas pobres, como meio de promover o desenvolvimento físico das novas gerações”, pela qual obteve a classificação de 14 valores. Pouco depois, deu início à sua actividade como médica, especializando-se em ginecologia, profissão que era ainda praticamente vetada às mulheres, por se duvidar das suas competências comparativamente aos homens que também a exerciam. Cabete, de resto, acabou por integrar um corpo bastante restrito de mulheres que conseguiram praticar medicina em finais do séc. XIX/inícios do séc. XX em Portugal, pontificando ao lado de figuras como Amélia Cardia, Emília Patacho e Carolina Beatriz Ângelo.    
Paralelamente à sua profissão primordial, Cabete foi também professora, tendo leccionado Higiene e Puericultura no Instituto Feminino de Educação e Trabalho de Odivelas - onde seria inclusivamente nomeada médica, em 1915 -, ensinamentos que procurou transpor para um auditório mais abrangente ao leccionar também na Universidade Popular, em Lisboa, com o intuito de consciencializar as jovens mulheres para a elevadíssima taxa de mortalidade infantil que então se registava no país. Em paralelo, viria a publicar artigos na imprensa, subordinados a temas como a condição feminina ou o alcoolismo, geralmente em articulação directa com o binómio mãe-criança, que sempre a inquietou.
Em perfeita consonância com a sua sensibilidade particular para estas áreas, Adelaide Cabete assumiu-se igualmente como uma das mais proeminentes feministas portuguesas do seu tempo, adoptando causas como a luta pela abolição da prostituição. Após uma breve associação à maçonaria, por intermédio da sua iniciação no Grande Oriente Lusitano Unido, na Loja Humanidade – onde deixou o seu cunho de incansável lutadora pela igualdade de género -, tornou-se, a par de Ana de Castro Osório, uma das fundadoras da Liga Republicana das Mulheres Portuguesas, tendo desempenhado também um papel simbolicamente relevante na revolução que conduziu à implantação da República, na medida em que os conspiradores lhe confiaram, em parceria com Carolina Beatriz Ângelo, a tarefa de produzir as bandeiras que viriam a ser hasteadas durante o 5 de Outubro de 1910.
Uma vez implantada a República, Cabete prosseguiu os seus esforços activistas em prol das mulheres, tendo fundado, em 1914, o Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas (CNMP, activo entre 1914 e 1947), que imediatamente se associou a organizações internacionais feministas como o International Council of Women e a International Alliance for Women´s Suffrage, e cujas preocupações centrais gravitavam em torno da condição da mulher e da criança, visando, sob um prisma económico e social, reivindicar causas nevrálgicas como o aumento dos salários auferidos pelas mulheres, a necessidade de melhoramento da sua educação e a questão do sufrágio feminino. Assumindo-se como verdadeira impulsionadora desta organização, Cabete procurou incessantemente  dinamizar as suas actividades, entre as quais se inclui o lançamento da revista Alma Feminina, que registou considerável sucesso, e a organização de dois congressos feministas, em 1924 e 1928, que se revelaram autênticos acontecimentos de projecção nacional. Nestes, para além de participar com comunicações alusivas aos temas com que já se preocupava há largos anos, Cabete enfatizou que as senhoras que integravam o CNMP não pretendiam destituir os homens, mas sim lutar pela justa dignificação da mulher.
No seguimento da Ditadura Militar de 1926, e após ter representado Portugal no estrangeiro, por diversas ocasiões, no âmbito de Congressos Internacionais Feministas, Adelaide Cabete mudou-se para Angola, por sentir que o clima em Portugal já não era favorável às causas feministas. Contudo, fiel ao seu espírito de inconformada, não deixou de lutar pela criação de maternidades e estabelecimentos assistenciais e de saúde na então colónia portuguesa, conseguindo, inclusivamente, tornar-se a única mulher a votar, em Luanda, no referendo para a aprovação da Constituição de 1933.
Acabaria, ainda assim, por regressar a Portugal um ano depois, onde morreu, em Setembro de 1935. A título póstumo, foi-lhe atribuída, a 10 de Junho de 1995, a Medalha e Colar de Grande Oficial da Ordem da Liberdade.

A 5 de Outubro de 2009 os CTT fizeram uma emissão filatélica com o objectivo de homenagear um grupo de “mulheres cuja acção e testemunho as tornaram figuras indelevelmente associadas à história da República”. Esta coleção, denominada Mulheres da República, “evoca activistas dos direitos femininos dos primeiros tempos da República”, e dela faz parte Adelaide Cabete, juntamente com Carolina Beatriz Angelo, Carolina Michaëlis de Vasconcelos, Maria Veleda, Ana de Castro Osório, Maria Veleda, Angelina Vidal, Virgínia Quaresma e Emília de Sousa Costa.

Pelo Edital de 19 de junho de 1976 foi dado o seu nome a uma rua da urbanização Quinta dos Condes de Carnide.

 
References:
  • Adelaide Cabete, wikipédia. 
  • Women Writers in History Database, Adelaide Cabete.
  • Dicionário de Médicos Portugueses, Adelaide Cabete.
  • Toponímia de Lisboa, Rua Adelaide Cabete.
  • CASTRO, Zília, ESTEVES, João (dir.), Dicionário no Feminino (séculos XIX-XX), Lisboa, Livros Horizonte, 2005.
  • LOUSADA, Isabel, Adelaide Cabete (1867 – 1935), Lisboa, CIG, 2010.
  • SAMARA, Maria Alice, Operárias e Burguesas: As Mulheres no Tempo da República, A Esfera dos Livros, Lisboa, 2007.
     
CONTEXT(Help)
-
Portuguese Women Scientists: Historical Overview Â»Portuguese Women Scientists: Historical Overview
Medicine Â»Medicine
Adelaide Cabete (1867-1935)
+Comments (0)
+Citations (0)